Marca Zênite

Hospitais públicos maiores, estaduais e da administração indireta tendem a ser mais eficientes

TCU faz levantamento para mapear critérios de realização de auditorias futuras em unidades hospitalares públicas no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS)

Quadro_resumo_padrao-01.jpg

Hospitais maiores, geridos pela administração indireta e de âmbito estadual tendem a ser mais eficientes. Essa foi a conclusão de levantamento efetuado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) no mapeamento de critérios para realização de auditorias futuras.

O trabalho avaliou a eficiência de unidades hospitalares a partir de dados objetivos de insumos, como número de leitos e quantitativo de pessoal alocado, e de resultados, como quantidades de procedimentos ambulatoriais e de internações. Cada unidade hospitalar seria mais eficiente de acordo com o confronto entre os serviços prestados e os insumos necessários para tanto.

Além dos insumos e resultados, a auditoria comparou as unidades hospitalares de acordo com a região do País, o vínculo com a administração pública (direto ou indireto) e a esfera federativa (municipal, estadual ou federal).

O aumento de eficiência ocorreu quando se aumentou o porte da unidade hospitalar, quando ela era gerida pela administração indireta e estava localizada na esfera estadual.

O Tribunal desenvolveu, assim, uma minuta de referencial básico de auditoria de eficiência das unidades hospitalares para fundamentar a escolha dos critérios para a realização de futuras auditorias de avaliação de desempenho dos hospitais.

Para o relator do processo, ministro Benjamin Zymler, “trata-se de iniciativa promissora que deverá trazer resultados relevantes para o processo de gestão da saúde pública com a identificação de gargalos produtivos e de boas práticas que possam ser replicadas por toda a rede hospitalar”.

Serviço

Leia a íntegra da decisão: Acórdão 1108/2020 – TCU – Plenário

Processo: TC 015.993/2019-1

Sessão: 06/5/2020

Secom: SG/pn

E-mail: imprensa@tcu.gov.br